Líderes do Projeto/Parcerias

Home / Líderes do Projeto/Parcerias

Apresentamos aqui informações sobre os líderes do IGCP-628 e suas principais parcerias.

Líderes

Parcerias

  • Petrobras CENPES

    As atividades de Pesquisa e Desenvolvimento da PETROBRAS estão centralizadas no Centro de Pesquisas e Desenvolvimento Leopoldo Américo Miguez de Mello (Cenpes), localizado na Cidade Universitária, campus da Uni¬versidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Com uma área total de 300 mil m², é um dos complexos de pesquisa aplicada mais importantes do mundo. Além de laboratórios avançados, tem salas de simulações e imersão em processos da indústria de energia.

    O projeto “Revisão do Mapa Geológico do Gondwana” é uma cooperação entre o Departamento de Geologia da UFRJ e o CENPES iniciado em dezembro de 2010, com duração de cinco anos. Recentemente foi prorrogado para outubro de 2017. O CENPES fornece o principal aporte financeiro ao projeto dentro desta cooperação.

  • UNESCO

    Em 1945, foi criada a UNESCO (Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura) de modo a responder à firme crença das nações, divididas por duas guerras mundiais em menos de uma geração, que acordos políticos e econômicos não eram suficientes para construir uma paz duradoura. A paz deve ser estabelecida com base na moral humanitária e na solidariedade intelectual.

    A UNESCO batalha para formar laços entre nações que apresentam esse tipo de solidariedade:
    • Mobilizando por educação: de modo que toda criança, menino ou menina, tenha acesso à educação de qualidade como um direito humano fundamental e pré-requisito para o desenvolvimento humano.
    • Gerando um conhecimento intercultural: por meio da proteção do patrimônio e suporte à diversidade cultural. UNESCO criou a ideia do Patrimônio Mundial para proteger locais de valor universal marcante.
    • Buscando cooperação científica: como sistemas de alerta para tsunamis ou acordos de gerenciamento de água entre fronteiras, fortalecendo laços entre nações e sociedades.
    • Proteger a liberdade de expressão: condição essencial para a democracia, o desenvolvimento e a dignidade humana.

  • IUGS

    Contendo 121 membros nacionais, a União tem como objetivos promover o desenvolvimento das ciências naturais por meio do apoio a amplos estudos científicos relevantes a todo o sistema da Terra; aplicar os resultados desses e outros estudos para a preservação do ambiente natural da Terra, usando os recursos naturais de forma responsável e melhorando a prosperidade das nações e a qualidade da vida humana; e fortificar a conscientização pública sobre a geologia e promover avanços na educação geológica em um sentido mais abrangente.

  • IGCP

    Por mais de quarenta anos, a UNESCO tem trabalhado com a União Internacional de Ciências Geológicas (IUGS) para mobilizar a cooperação global nas ciências da natureza pelo Programa Internacional de Geociências. Esse Programa tem providenciado uma plataforma para que cientistas do mundo inteiro possam ultrapassar as fronteiras do conhecimento por meio de projetos concretos.

    No início, o Programa incentivou o intercâmbio de conhecimento científico pela da correlação de estratos geológicos e dados de pesquisa, com foco em pesquisas básicas na área de geociências e em fazer correlações entre eventos durante a história evolutiva da Terra. O IGCP-628 encontra-se inserido no tema 5 – Geodinâmica: Controle do meio ambiente.

  • CCGM-CGMW

    A Comissão para o Mapa Geológico do Mundo (CGMW) é uma associação internacional sem fins lucrativos, governada pela França e responsável por projetar, coordenar, preparar e publicar mapas globais, continentais, de grandes regiões e de oceanos em pequena escala, que tenham como tema o estudo de ciências naturais. A CGMW é afiliada à União Internacional de Ciências Geológicas (IUGS) e à União Internacional de Geodésia e Geofísica (IUGG), e é apoiada pela UNESCO.

    Essa organização apoia plenamente o IGCP-628 desde Agosto de 2012, resolução aprovada no 34º Congresso Internacional de Geologia (IGC) em Brisbane, na Austrália. O presidente Dr. Philippe Rossi é também um dos líderes do IGCP-628.

  • IGCP-592

    Compreender como crosta continental é formada se desenvolve e evolui é um importante problema para a Ciência da Terra. O foco deste projeto IGCP é a geração de crosta continental na Ásia Central e Leste assim como uma comparação com o Pacífico Oriental.

    O objetivo principal é realizar uma investigação multidisciplinar em larga escala sobre a geração de crosta continental no Cinturão Orogênico da Ásia Central (CAOB em inglês ou Altaids), a fim de provar que o Fanerozóico foi um importante período de tempo para a geração de crosta continental juvenil em comparação com a ideia de uma origem predominantemente arqueana.

    Os objetivos específicos consistem em distinguir estágios principais de geração de crosta continental:
    1) Crescimento crustal (formação de crosta juvenil);
    2) Formação crustal (formação de crosta reciclada);
    3) Crescimento continental (acreção menos erosão de subducção);
    4) Formação continental (Processos colisionais).

    Todos estes estágios serão cuidadosamente reconstruídos a partir de cada cinturão orogênico individual do CAOB e através de todos que formam o cinturão principal.

  • IGCP – 648

    Supercontinent Cycles and global geodynamics

    Recentes avanços em pesquisas associadas a supercontinentes indicam que a história da Terra foi dominada por ciclos de formação e fragmentação de supercontinentes. Os novos desenvolvimentos em tecnologia de imageamento geofísico e simulação por computador propiciaram visões cada vez mais claras do interior da Terra, assim como as placas tectônicas em movimento na superfície planetária interagem com o interior do orbe. Neste projeto, nós iremos montar uma equipe com uma vasta gama de especialistas em geociências para trabalhar com estas descobertas a fim de explorar a ocorrência e a história evolutiva de supercontinentes ao longo do tempo e os processos geodinâmicos aos quais foram submetidos. Como parte deste projeto, nós iremos estabelecer/melhorar bancos de dados globais de geotectônica, paleomagnetismo, depósitos minerais e eventos de ocorrências de plumas mantélicas antigas, além de examinar como ciclos de supercontinentes interagem com o manto inferior para haver a produção de recursos terrestres episódicos e mal distribuídos. O projeto é construído a partir do sucesso de uma série de outros projetos IGCP. Ele não somente irá acarretar em grandes descobertas científicas, mas também irá desenvolver bancos de dados baseados em GIS de fácil utilização que qualquer indivíduo poderá utilizar a fim de realizar uma reconstrução paleogeográfica, testar modelos de geodinâmica, modelos de grandes eventos climáticos como eventos Snowball Earth e prever possíveis alvos para a exploração de recursos naturais e descoberta de novos recursos naturais.